Main menu
Ifac atende 18 povos indígenas com cursos do Pronatec

Ifac atende 18 povos indígenas com cursos do Pronatec

Foto: Onofre Brito (Agência de notícias do Acre)

O Instituto Federal do Acre (Ifac) está oferecendo cursos de formação inicial e continuada pelo Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) para 18 comunidades indígenas em oito municípios do Acre, incluindo quatro regiões considerados de difícil acesso.

Os cursos foram escolhidos pelas comunidades e os professores contratados são a maioria indígena, tendo sido selecionados por edital específico para atendê-los.

A iniciativa do Instituto Federal vem sendo consolidada após projeto experimental realizado o ano passado na regional de Tarauacá-Envira e aprimorado para outras regiões com o apoio da Fundação Nacional do Índio (Funai) – parceira da realização dos cursos – e organizações não-governamentais indígenas.

Em março, equipe de profissionais da Diretoria Sistêmica de Programas Especiais da Reitoria do Ifac – gestora do Pronatec – estará indo as comunidades para documentar a experiência, visando aprimorá-la e difundi-la para a Rede Federal.

Uma prévia das ações que estão sendo realizadas no Vale do Juruá foi registrada esta semana (terça, dia 16 de fevereiro) pelo jornalista Flaviano Schneider e o repórter fotográfico Onofre Brito pela Agência de Notícias do Acre, órgão do Sistema Público de Comunicação do Estado. Confira:

Acre serve de laboratório para implantação do Pronatec Indígena

Os povos indígenas Puyanawa e Katuquina receberam na terça-feira, 16, a visita de um grupo de profissionais do Instituto Federal do Acre (Ifac) de Cruzeiro do Sul, ligados à execução de cursos do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec).

O motivo foi avaliar os resultados e preparar um documentário sobre os cursos que ora vêm sendo realizados nas aldeias, na modalidade de Pronatec Indígena, uma novidade dentro do programa, em que o Acre está servindo de laboratório para expandir a experiência para outras unidades da Federação.

Criado em 2011 pelo governo federal, o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) já chegou a mais de 70 mil pessoas no Acre com cursos de formação profissional e tecnológica em várias áreas, tendo como principais executores o Ifac e o Centro de Formação e Tecnologias do Juruá (Ceflora), que é ligado ao Instituto Dom Moacyr.

A equipe de visitantes foi formada pelos seguintes: Aline Silva, coordenadora adjunta do Pronatec/Ifac no Vale do Juruá; Blenda Moura, coordenadora do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros e Indígenas (Neabi); Lídia Gomes Magalhães, orientadora social; Donizete Maia Azevedo, supervisor do curso; Éderson Silveira, professor; Maria José Ricardo, professora e Fabíola Pereira da Paixão, apoio administrativo.

Artesanato e agricultura

Na Terra Indígena (TI) Puyanawa está sendo realizado o curso de artesão de artigos indígenas e na TI Katuquina o curso de agricultor agroflorestal, ambos com 200 horas de aula. O curso de artesão está sendo frequentado por 17 índios puyanawas e três nawas enquanto o de agricultura é frequentado por 20 jovens katuquinas, todos alunos do ensino médio.

Para realizar os cursos entre os indígenas, foi fundamental a parceria com a Fundação Nacional do Índio (Funai). O coordenador regional da Funai, Luís Nukini, que acompanhou a visita aos puyanawas, considera os cursos do Pronatec uma contribuição ao fortalecimento da cultura e da organização interna dos povos indígenas. Ele explica que o processo se iniciou primeiro por uma demanda das próprias comunidades indígenas. Há dois anos houve o fortalecimento da Funai na região e a busca de parcerias com instituições que pudessem atender a essas demandas e finalmente concretizou-se a parceria com o Ifac/Pronatec. “O curso está possibilitando aos puyanawas refletir sobre sua história e recordar como foi o artesanato de seus antepassados” atestou.

O índio Davi Puyanawa tem sido um ícone no que toca ao resgate do artesanato tradicional de seu povo. Ele é formado em Artes na Universidade Federal do Acre (Ufac) e para o seu trabalho de conclusão do curso (TCC) pesquisou e descobriu 35 tipos de artesanato tradicionais e quase totalmente esquecidos na atualidade.

Ele e mais um colega índio foram contratados pelo Ifac para ministrarem o curso. Os artesãos em formação estão aprendendo a tecer com o cipó titica e fazer peças utilizando palha de buriti e fibra de tucum. Dentre os objetos estão cestos, jamaxi, caçoá, balaios e outros apetrechos.

Para o cacique Joel Puyanawa, o curso chegou na hora certa: “Nosso povo está vivenciando um novo momento da revitalização da cultura e da tradição e vemos com alegria que as pessoas da comunidade queiram participar desse resgate”.

Joel conta que a agricultura, especialmente a produção de farinha, é a principal atividade econômica das duas aldeias (Barão e Ipiranga), mas com o desenvolvimento do artesanato poderá sair daí um importante complemento de renda.

Para o curso de agricultor agroflorestal na TI Katukina também foram contatados dois monitores indígenas, além de dois professores do Ifac. O curso de agricultor agroflorestal, além de fornecer conhecimentos gerais sobre os sistemas agroflorestais, procura resgatar e aprimorar as técnicas tradicionais de plantio e manejo da terra.

O líder da Aldeia Samaúma, umas das seis existentes na TI Katukina, Poá Katuquina, mostrou-se agradecido aos órgãos que propiciaram o curso. Ele, que é agente agroflorestal, considera que depois do curso os jovens vão contribuir muito no trabalho com as comunidades locais: “Sempre digo aos alunos: aproveitem esta oportunidade vocês são jovens e tem muito a aprender pela frente".

voltar ao topo

Facebook